Arquivo da tag: resoluções

A Lista e o tempo

Todo começo de ano compartilho a mesma música. Reparei isso. Ela se chama “A Lista”, cantada pelo Oswaldo Montenegro.

Estranha mania essa a minha de listar, refletir e listar e … Devia pensar: se já ouvi e prestei atenção uma vez, por que fazer isso de novo?

Mas com essa música não é bem assim. Lá estou eu de novo pensando na bendita… Resultado – esperado – é que nada é definitivo. Einstein já profetizou que o tempo é relativo, não é?

Tudo é atravessado pelo tempo, esse “ente” inconstante, mutável e definido por nós. Portanto, essa coisa da perpetuidade,  da manutenção, dos valores, dos desejos, são todos conceitos que habitam em nós e quando parece que o mundo todo mudou, na verdade não foi o objeto em si que se alterou, fomos nós.

Perfeito post filosofia de boteco. Mas e daí? Fiz a lista. E concluí que só vou me reconhecer no espelho de hoje e não no retrato de ontem.

Já posso escrever um livro de auto-ajuda?

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Carmela

Retro 2011 e Feliz 2012!

Eu mal sei por onde começar. Esse é um post bem pessoal. Dos que lerem, sei que alguns pensarão: por que ela não guardou pra ela? Mas sinto imensa vontade de compartilhar com aqueles que tiverem saco e vontade.

Já me convenci que na minha vida tudo ocorre em ciclos: fases de perfeita harmonia, fases de grandes frustrações e decepções, fases de indefinições, fases de harmonia novamente. Parece que é assim com todo mundo, e deve ser mesmo. O que eu não posso negar pra mim mesma nem para os outros é que, por mais que eu possa parecer uma pessoa frágil, coraçãozinho aqui já enfrentou fortes emoções de todas as polaridades, negativas e positivas. E sobreviveu.

Não tenho vergonha de dizer que acredito saber lidar melhor com grandes surpresas do que com pequenas frustrações e alegrias do dia a dia. Lembro da primeira semana no meu último trabalho: precisava fazer algumas ligações simples para informar parceiros de que estávamos na ativa novamente. Tremia e gaguejava e não sabia como fazer. Posterguei até o limite e só sei que agi bem porque estava sob a pressão do tempo e de novas tarefas. Ou seja, acabo de entender porque meu marido diz que complico coisas simples (blog também é terapia).

Enfim.. por que essa volta mesmo? Ah! Em 2011 vivi uma fase de transição daquelas bem “haja coração”. Mas quem dera todos os enfrentamentos e mudanças fossem tão positivos!

Comecei o ano trabalhando na área que gosto e me preparando para o mestrado – ou seja, mentalmente, estava definido que daqui pra frente meu futuro profissional sairia dos planos e sonhos e seria brilhante!

Mas algo não estava no lugar no meu coração. E foi tentando consertá-lo para ter paz e seguir meu super futuro profissional que procurei entendê-lo a partir de algumas ações.

Parei de trabalhar, temporariamente, para me dedicar aos estudos. Em paralelo, tentei me dedicar mais ao meu casamento e a fiéis e bons amigos. Voltei a fazer terapia, abri mão dos alimentos que me fazem mal e, o mais importante, busquei novamente a Deus. Em resumo, tentei colocar físico, emocional e espiritual em harmonia.

Digo que o mais maravilhoso foi sentir o amor de Deus. Sou cristã de batismo, com algumas escapulidas ocasionais.. mas o Senhor nunca desistiu de mim. Me deu na vida duas chances de viver – 1983 e 2006 – e senti que estava fazendo dela algo menor. Ele sempre se fez presente, mesmo quando O reneguei. Uma hora, o filho à casa torna. E Ele, como Pai, nos recebe prontamente. Deus é uma cara tão educado que não força a porta do nosso coração, fica ali do lado, esperando o nosso convite para entrar ou a nossa volta.

Nessa caminhada, contei com o apoio de padrinhos, amigos, família e de um padre, me incentivando e orientando, e do Ulisses, que sempre respeitou minha caminhada. Foram os primeiros grandes presentes de 2011.

Nessa busca, uma Mãezinha que sempre rejeitei se revelou. E a partir da aceitação dela, muitos outros relacionamentos começaram a ser reconstruídos e passei a compreender meu desejo oculto de ser mãe. Então, um pedido de resposta do reveillon passado foi atendido e esse desejo compartilhado.

Aguardamos a chegada do Miguel, sem dúvidas, a maior bênção e o maior de todos os presentes desse ano. Embora seja uma gestação tranquila, cuja orientação atual é não engordar nos próximos meses no mesmo ritmo do último, rsrsrs, já teve suas pequenas lutas e grandes vitórias (o que já foi registrado aqui no blog), o que a torna ainda mais especial.

Nesse meio tempo, conquistamos várias coisas como casal. Hoje, tudo parece ter acontecido sucessivamente, no momento certo para que o que viesse depois tivesse onde e como se apoiar. Vejo claramente a mão e o tempo de Deus em cada projeto realizado – sonho preexistente ou não.

Pois é. O que parecia ser um ano marcado pelas definições profissionais, transformou-se num ano de autoconhecimento, encontro espiritual e realização pessoal.

Engraçado como demorei a compreender que não somos donos das nossas decisões. Quanto mais eu ajo e penso que controlo absolutamente a minha vida, mais vejo que a vida se encarrega de frustrar os controles todos. Compreendo que aceitar a Deus como seu Senhor é confiar que o Seu controle, esse sim é o definitivo, e que todo o Seu agir é perfeito. Essa perfeição jamais será alcançada por mim.

Descansar nessa constatação, abrir a fresta para o amor do Pai entrar, foram as decisões que mais me deixaram em paz nesse ano. Não vieram sem luta, sem obstáculos, sem negações e não permaneceram sem objeções. Mas foram atitudes que venceram, dia a dia, e as quais luto para manter diante de tantas ofertas de autocontrole, de tantos argumentos contrários para nos provar.

Há um ano não saberia escrever uma linha inteira de agradecimento público a Deus sem vergonha ou sem medo de ser taxada de fanática. Hoje não entendo como pude ser tão ingrata.

Desejo que em 2012 o Senhor continue agindo e guiando a minha vida, entrego a  Ele o controle. Peço que o Miguel venha com saúde e muito amado por todos, que a minha família seja abençoada e que a minha vontade seja a vontade de Deus, porque aí sim tudo que acontecer será perfeito!

FELIZ 2012 a cada um de vocês que compartilham minhas indignações, contemplações, reclamações, agradecimentos, receitas, vídeos, felicidades, músicas.. que compartilham um pouco da minha vida, em todos os canais em que ela se faz presente. Que possam também sentir o amor de Deus.

Que Deus os abençõe.

BYE, BYE 2011!

BEM-VINDO 2012!

*** trecho que me acompanhou durante 2011:

“Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos?

(Porque todas estas coisas os gentios procuram). De certo vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas;

Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.

Não vos inquieteis, pois, pelo dia amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. “

Mateus 6:31-34

4 Comentários

Arquivado em Carmela

Velhas Novas Resoluções de 2011 – Respeito à Vida

Início de 2011… lista de resoluções. Meio de 2011.. primeira oportunidade de fazer um balanço.

Voltei aos meus antigos arquivos e encontrei uma ideia que propus publicamente – adotar um bichinho. Eu já havia realizado isso algumas vezes durante a vida (coitada da minha mãe, que vivia com a casa cheia de gatos, cachorros, até tartaruga e um sapo), e resolvi fazer um post sobre adoção e posse responsável. Fiz, publiquei e  não me lembrei mais dele. Hoje, qual a surpresa? O resultado. Até onde sei, tal ideia foi posta em prática três vezes, por quatro pessoas diferentes.

Mia, Nina e Leo - nossos três resgatos.

Ontem fui carinhosamente cumprimentada como “mocinha dos gatos” por uma pessoa de quem gosto muito (embora não nos conheçamos fora do microblog). Amei e adotei a expressão! Então nada mais natural que meu post de hoje seja exatamente aquela (sempre atual) resolução: adote um amigo!

Acredito que cada um tem algo pelo qual se movimenta. Alguns são pelas crianças, outros pelos idosos, alguns militam pelo meio ambiente, outros por transparência na política e por aí vai. De fato, não acredito que exista uma causa melhor ou mais importante que a outra. Acredito que recortar o mundo em vários segmentos tem a única finalidade de organizar o trabalho. Repudio que seja só isso, só aquilo. Nossa vida é uma rede de relações e conexões com outras pessoas, com o ambiente, com a cultura.. somos multidimensionais. Por isso tenho tentado ligar o ‘foda-se’ quando vejo aquelas caras de paisagem e repúdio para a causa animal. Ela é a que me move e fico feliz que haja tanta gente movida por causas tão diferentes, porque somando todos esses recortes metodológicos do agir presume-se que nada ficará esquecido.

Segue a cópia do post!

— =^.^= —

Pois é. Ano vai e ano vem, ganha força a moda do politicamente correto, mas em geral a tolerância por maus tratos a animais continua, afinal, “animal não é gente” (nunca escutou isso quando você levou seu animal no veterinário? Ou quando telou seu apartamento?). Eu torço pelo dia em que isso mude. 

Já pensaram que além de plantar árvores, escrever um livro e ter um filho, seria muito interessante e viável (pra muitos) que mais pessoas colaborassem adotando um animal? Ou mais simples, deixando de ser cego a eles? 

Que tal em 2011 colocarmos entre nossas resoluções (ainda dá tempo, todo dia é tempo de tentar ser melhor), o respeito à vida – o qual independe da espécie?

É muito doloroso todo dia, todo dia, todo dia, ter conhecimento das barbáries (são barbáries sim, nem de longe alguém suportaria cada coisa que vemos nesses casos) e se deparar com um ordenamento omisso, com autoridades omissas e, pior, tentar ser convencido de que é perda de tempo e de energia agir para que esse quadro mude. 

Pequenos atos podem fazer a diferença e ninguém precisa correr para uma ONG de protetores e virar voluntário. Se tá difícil enxergar, vou listar algumas coisas:

1 – adotar ao invés de comprar e se comprar, buscar saber a procedência – pra quem não sabe, alguns canis/gatis/criadouros são verdadeiros infernos;

2 – se informar sobre como se preparar para receber um animal, aliás, se informar sobre o animal – tempo de vida, alimentação adequada, segurança (ele e sua), posse responsável etc – essa não é uma decisão que deve ser tomada por um impulso cute-cute;

3 – levar o animal ao veterinário regularmente, vacinar, cuidar, proteger – veterinário não é item de luxo ou um profissional habilitado em pedigree; 

4 – não importa se gosta ou não, não maltratar – incluo aqui agressões físicas, brincadeiras de mal gosto (como provocar o animal), mantê-lo preso em corrente, deixar de alimentar, deixar de prestar socorro ou buscar quem possa fazê-lo;

5 – Rever alguns hábitos – ir a circo com animais, touradas, usar peles, rever a alimentação… (ops, tema controverso né.. mas veja, proteção e vegetarianismo não estão numa relação implicacional – nem todo protetor é vegetariano e nem todo vegetariano é protetor, embora concorde que o vegetarianismo, por si só, colabore com uma proteção mais completa; logo, proteção implica uma boa escolha sobre como se alimentar: baby beef, novilho precoce, fois gras etc, muita coisa nada mais é do que capricho, luxo, excesso de opção – você pode não querer/poder viver sem carne, mas certamente não vai morrer se escolher melhor o seu prato).

Todo dia podemos adotar novos hábitos – dos pequenos aos maiores – que mudem o mundo pra melhor. Meu desejo é que neles possamos incluir o respeito: ao outro, a outra vida, ao planeta, a nós.

Deixe um comentário

Arquivado em Opinião