Arquivo da tag: dicas

Viajar com o bebê – experiências e dicas

Viajar com o bebê é sempre uma aventura que começa no mundo das ideias e termina quando se chega em casa.

Fizemos nossa primeira viagem de carro com o Migs no mês passado. Fomos até Campo Mourão visitar a família. São 200km de distância de Londrina, estrada boa, pontos de paradas regulares. No último fim de semana viajamos para Santo André, um pouco mais longe, dessa vez de avião, para ficar em hotel. Um pouco diferente e alguns detalhes a mais para ocupar a cabeça . Conversei com outras mães e os sentimentos foram/são os mesmos.

Esse post é sobre as experiências com viagem, incluindo as dicas de mãe para mãe e aquelas encontradas na internet e obtidas com especialistas.

I – Viagem de carro

1 – Trajeto com segurança e tranquilidade:

O que mais me preocupa em viagens é a segurança.

Para viajar de carro, instalamos o bebê conforto no lado do passageiro e fomos pelo trajeto com mais paradas possíveis, embora não tenhamos precisado. Amamentei meia hora antes de sair. Em tese, ele chegaria lá sem precisar mamar de novo e de fato isso aconteceu. Ele acordou chorando para mamar na entrada da cidade e chegou sujão!

Só depois que cheguei, li que o melhor lugar para instalar o bebê conforto é no banco do MEIO, bem como, dessa vez na página da Organização Criança Segura Brasil, que o cinto deve estar afivelado no máximo com um dedo de folga. Se tiver aquele clipe no ajuste, como no modelo Cortina Travel da Chicco, esse item deve ser deslocado para a altura da axila. Cinto muito folgado pode lesionar os órgãos internos do bebê em casos de acidente, o mesmo para o clipe deixado na altura do abdômen. Interessante né!? Eu não sabia da maioria dessas regras e erramos no lugar de deixar a cadeirinha e na altura do clipe. (Mais dicas sobre segurança e carro na página da Criança Segura e da Healthy Children, aqui e aqui).

A Priscila, mãe do Otávio, viajou longas distâncias com o bebê. Não teve uma experiência igual a outra e o bom disso tudo é que voltou com várias dicas para uma viagem tranquila.

“Fizemos 2 viagens de 650 km com o Otávio de carro. A viagem que dura 7 horas, durou 8 horas, 8 horas e meia. A primeira vez não foi muito bacana, ele tinha 2 meses. Bebê chorou, vomitou, chorou, e a mãe também enjoou, chorou. No fim não aguentei e contrariei todas as regras de segurança colocando o Otávio no meu colo (ele ficou no peito quase a viagem toda de volta). Como aguentar ele chorando por 8 horas?

Na segunda viagem o Otávio estava com 4 meses e meio e tomei algumas medidas: troquei o bebê conforto por um modelo bem mais simples (modelo Cortina da Chicco pelo Peg-Perego da Burigotto), dei Motilium uma hora antes de sair (por indicação médica), fiz ele mamar uma hora e meia antes da viagem. Além disso, ele já estava bem mais acostumado a andar de carro comigo. E deu certo. A segunda viagem foi inteira no bebê conforto, e foi muiiiito tranquila.  Uma coisa que ajudou muito foi o Otávio pegar chupeta (dizem que diminui o enjoo, e na primeira viagem ele não pegava ainda).

Na estrada eu já sabia quais postos tinham o banheiro razoavelmente limpo (achei fundamental o trocador de bolsa e um álcool gel). E uma boa dica é parar nesses postos do pedágio, tem fraldário super limpinho, banheiro limpo e além de tudo um cafezinho, rs. Nenhuma das vezes o Otávio fez cocô.” (isso é muito bom, uma vez que andar no carro nhaquento é dose, rsrrrsr). 

2 – O que levar?

Não importa a distância, é comum toda mãe fazer isso: levar muuuuitas roupinhas e fraldas. E sabe que não é exagero?

Outra coisa em comum é levar uma malinha de mão dentro do carro, com pelo menos uma fralda, uma troca e um pano de boca extras (e jamais esquecer dos documentos pessoais dos pais e do filho).

– Viagens rápidas e/ou curtas – relato-dica de mãe para mãe:

A Bruna, mãe do Pedro, realizou uma viagem curta, de carro, com o filhote. Não importa a distância, entre organizar uma malinha para um dia fora de casa e se antecipar pro que pode acontecer, há um verdadeiro check list a seguir.

” A primeira vez que fizemos uma pequena viagem com o Pedro para passar todo o dia fora, ele tinha pouco mais de dois meses. Foram só 90km. Saímos às 9h30 e voltamos perto das 18h. Mas olha só:
Antes, quando saíamos de casa, usávamos a bolsa da esquerda. Na verdade ela é uma bolsinha térmica, mas até então satisfazia a nossa necessidade. Mas daí apareceu esse aniversário de uma amiga em Maringá e começou o desespero: e se esfriar? Vamos precisar de roupinhas mais quentes. E se entrarmos na Era do Gelo? Vamos precisar de MUITO mais roupas. [mãe sempre acha que vai esfriar] E se tivermos que trocá-lo num pântano? Vai precisar de um pano para forrar. E se acabarem as fraldas do mundo? Precisamos de um estoque extra. 
E se? E se? E se? Fomos colocando todos os “e se?” na malinha. O resultado foi que precisamos de uma bolsa maior para caber: cinco fraldas descartáveis, pomada para assaduras, pacote de lenço umedecido, um body de manga comprida, um body de manga curta, duas meias (usamos um par como luvinhas), um macacão, duas fraldinhas de boca, um fraldão e uma manta. Além disso, três barrinhas de cereais, câmera fotográfica, cartão do plano de saúde e livreto com informações e carteirinha de vacinação. Está bom ou quer mais?
O que usamos de fato? Duas fraldas descartáveis, uma fraldinha de boca, um fraldão, a câmera fotográfica e só. As roupinhas foram desnecessárias. Ao invés de colocar mais, só tiramos as que ele usava, pois esquentou pra caramba.
Agora percebi que esquecemos de uma coisa bem importante: uma peça de roupa para os pais. Sim, porque neném vaza! Como vaza! Eles não escolhem o colo, simplesmente colocam para fora. Preciso incluir este item.
Mas gente, o piá mama só no peito. E quando começarem as papinhas? Acho que vamos precisar de uma mala de viagem, daquelas de rodinha.”

 – Viagem média/longa: relato-dica de mãe para mãe

A primeira vez que viajamos com o Miguel, como comentei, foi para passar um fim de semana a 200 km daqui.

Levei duas bolsas como malas, uma pequena e uma grande, uma bolsa térmica que serviu de frasqueira para os itens de higiene e medicação, e ainda levei uma sacola grande com as roupas de cama e o ninho. Além disso, o marido, que foi depois, levou o moisés.

Nas malas, levei 4 kits de troca/dia, sendo um conjunto de pijama (body+calça), 2 calças, 2 bodies, um par de meias e um macacão por dia, todos de manga comprida porque estava frio, além de 6 fraldinhas de boca e 4 fraldões de algodão. Extra, uma calça jeans, uma jaqueta e uma camiseta para fazer charme.

Na frasqueira, sabonete, shampoo, paracetamol, remédio para gases,  algodão (em casa não uso lenços), soro fisiológico e aspirador nasal (naqueles dias ele andava com o nariz entupido) e cotonetes.

Na sacola com roupas de cama e banho, 1 toalha (deveria ter levado 2; já pensou se o bebê resolve sujar?), o ninho, 3 cueiros, uma manta leve e um cobertor mais quente. Além disso, meio pacote de fraldas – aproximadamente 25.

A bolsa menor, que uso nas saídas em Londrina e que usei para os passeios de lá, sempre tinha uma troca extra (body + calça), pomada contra assadura, 3 fraldas, lenço umedecido, um fraldão de algodão, uma fraldinha de boca, trocador portátil, manta leve e carteira de vacinação/convênio. Ele estava com a chupeta e a naninha (fraldão), então quando ele começava a se agitar com alguma coisa, dávamos esses itens e ele acalmava. Depois li que objetos transicionais ou que o bebê habitualmente usa são interessantes para serem levados porque diminui o estranhamento.

Lá, minha tia providenciou uma banheira. No primeiro dia, depois de uma sujeira fenomenal, improvisamos o banho numa bacia, rs.

Usei praticamente tudo. Voltei com 2 calças e 2 bodies sem usar, e várias fraldas, rs.

3 – Hospedando-se em Hotel:

A mala com itens pessoais do bebê não mudou muito. Para quase 3 dias, levei uma troca oficial por dia (body+macacão ou calça) e uma extra, além do pijama, ou seja, 3 trocas/dia, além de 2 bodies manga curta e uma jaqueta extras. Além disso, 4 fraldões e 3 fraldinhas de boca, uma toalha, umas 20 fraldas, sabonete, xampú, colônia, lenço umedecido, algodão, pente, soro fisiológico, paracetamol, cotonetes, algodão, simeticona, 3 pares de sapatinho e 2 trocas “chiques” para ele usar no casamento que fomos. Por fim, cueiro, manta de lã para sair, manta de algodão para bater e cobertor. Tudo isso coube em uma malinha, uma bolsa, uma frasqueira e uma sacola. O que tivemos que observar era se o hotel contava com berço e banheira.

Mudancinha do Migs. A bolsa menor uso como de mão.

Nos hotéis que pesquisei, o berço entra como acessório complementar do quarto. O bebê não paga diária, contudo, em alguns hotéis a utilização do berço é cobrada, como na rede Mercure.

Como você só vai saber o estado do berço quando chegar no local, em casos de susto você tem a alternativa de colocá-lo para dormir na cama (tente deixá-lo mais alto que você, sobre uma almofada, por exemplo, longe das beiradas) ou pode ter seu próprio berço desmontável para levar em todas as viagens. Escolhendo a última, há várias opções no mercado. Escolha uma marca de confiança, com garantia. Infelizmente, não encontrei opções certificadas pelo INMETRO.

Quanto à banheira, a não ser que seu bebê já tome banho no chuveiro, a falta dela pode ser um probleminha. Não encontrei informação sobre isso nos sites dos hotéis que pesquisei, mas também não liguei para me informar. Optamos por comprar uma banheira inflável, portátil, para solucionar essa dificuldade que pode se repetir em outras ocasiões. Funcionou muito bem, mas tem que ter pulmão bom pra encher sem morrer de tontura, e coluna em dia, porque é provável que ela tenha que ficar no chão por segurança (é firme, mas nem tanto). Uma opção mais econômica é comprar uma piscininha inflável para bebê, daquelas que só molham a bundinha, rs. A diferença de preço é moderada.

O Miguel deu conta de sujar quase todas as trocas de roupa. Não passamos aperto por pouco. Voltamos com um body manga curta extra, uma jaqueta e uma das trocas do casamento. Esfriou horrores da noite pro dia e eu não contava muito com isso, mas no fim deu tudo certo!

Dessa vez usei o conselho da Bruna e levei uma troca de blusa para mim na malinha de mão. Também levamos o sling e foi muito útil no destino e nos aeroportos, apesar de termos levado o bebê conforto, já que também utilizamos carro para nos deslocar.

Em resumo, não dá pra ficar um dia todo fora sem ter pelo menos uma bolsa média em que caibam 3 trocas completas (body e calça) – em acordo com o clima, umas 6 fraldas, pomada, trocador portátil ou pano para forrar, lenço umedecido, documentos, 2 fraldas de boca, uma blusa extra pra mãe. É a média do que se usa por dia. E se usar complemento ou já estiver na alimentação sólida, acrescente esses itens, lembrando que é muito prático ter um dispenser com mais de um compartimento em que já se pode deixar a quantidade exata de leite em pó para cada mamada. É só virar na mamadeira, colocar água e chacoalhar. Imagina, na correria, ter que abrir a lata e medir?

4 – E a rotina?

Não adianta, sair de casa é sempre uma mudança para o bebê.

O Miguel ficava nervoso quando dava o horário que costumava dormir. Colocava as mãos na boca e gritava. Na primeira viagem, com dois meses e pouco, não sentiu tanta diferença porque dormiu no ninho e estava entre família. Na segunda, com três meses, tudo mudou – lugar, horários, pessoas… pra ajudar, na volta, depois de ter dormido bem tarde, tivemos que acordá-lo às 6h. Só chegamos em Londrina ao meio dia.. ele dormiu quase o dia todo, depois de ter ficado agitado e nervoso, e ainda não retomou os hábitos de sono noturno. Mas em geral, ficou tranquilo e muito sociável.

Com o Otávio, as viagens ajudaram na socialização, mas as alterações no sono não foram diferentes.

“Na casa da vovó e do vovô foi tudo muito bom. Ele que antes não ia no colo de quase ninguém passou a ser super sociável depois da viagem. Os olhinhos curiosos são a coisa mais deliciosa do mundoooo! Porémmmm a rotina mudou, e para o meu desespero ele passou a acordar na noite mais do que quando era recém-nascido, teve noites que eu realmente não dormi. Pode ter sido também porque ele pegou resfriado, e nariz ficou bem trancadinho. Antes ele dormia a noite toda (das 19 às 7 da manhã) acordando uma vez para mamar. E isso nunca mais aconteceu, heheheh… Somente agora ele está começando a dormir melhor (duas semanas depois da viagem). Estou na esperança de que o soninho volte ao normal.”

Algo que sempre nos ajudou nas saídas é o “cheiro”, as fraldinhas que usamos como objeto transicional. É sempre um elemento conhecido que traz um pouco mais de segurança fora de casa. E sempre que possível, tentamos manter horários de soneca parecidos com o de casa. Claro que muitas vezes não conseguimos.

Uma coisa é certa, encarar as mudanças como naturais faz tudo ficar mais fácil. E como diz a Pri, “adoro viajar com ele, e espero poder viajar muiiiiito mais com meu filhote”.

II – Viagem nacional de avião:

Essa nossa última viagem foi um pouco mais trabalhosa, porque foi mista: de avião até São Paulo e depois de carro até Santo André.

1- Escolhendo a companhia:

O trabalho começa na escolha da companhia. Algumas aceitam bebês (0-24 meses), outras têm restrições (como Webjet); em algumas há franquia de um bebê conforto ou um carrinho dobrável, em outras esses itens entram na franquia dos pais; têm companhias que permitem que o bebê seja levado no bebê conforto ou no carrinho até a entrada da aeronave, em outras já tem que despachar com as malas. Em comum – exigem apresentação da certidão de nascimento, não pagam passagem e devem viajar no colo dos pais. (Obs.: nunca viaje sem o documento do seu filho)

Fomos pela Gol na ida e voltamos pela Tam.

A Gol não cobra passagem, tem a franquia de um dos itens mencionados e aceita que o bebê seja levado em algum deles até a porta da aeronave. O bebê viaja no colo. O assento ou o carrinho deve ser apresentado no despacho de bagagem. Lá, será etiquetado e depois os comissários colocam no porão. A retirada é feita na esteira, com as demais bagagens. Se levar o berço portátil, sugiro que avise no despacho, que eles etiquetam como frágil.

A TAM não cobra passagem, não tem franquia extra para o carrinho ou bebê conforto, ou seja, entra na franquia dos pais ou responsáveis; aceita que o item escolhido seja entregue na porta da aeronave, mas deve ser apresentado no despacho para etiquetarem; o chefe dos comissários decide se o item vai no bagageiro de cima ou no porão. A retirada é na esteira. O bebê viaja no colo.

O assento da primeira fileira, mais espaçoso, é reservado por lei a pessoas com necessidades especiais, gestantes e passageiros com bebê de colo. Observe isso quando for marcar o assento (que, em geral, não pode ser reservado antes, só no check in).

Quanto aos assentos prioritários, pela GOL foi tranquilo. De cara fomos colocados na primeira fileira.

Pela TAM foi ótimo, só que ao contrário. A TAM vende esses assentos como “assento conforto”, com a condição de que não estejam sendo ocupados por passageiros com prioridade legal. Nesse caso, a ocupação é gratuita. Apesar de divulgarem essa regra no site, no momento do check in fomos informados de que todas as aeronaves TAM agora contam com air bag na primeira fileira, portanto, gestantes e crianças de colo não podem mais ocupar os assentos de lá – e, óbvio, não há alternativas mais espaçosas no restante do avião (não na classe econômica).

AIR BAG EM AVIÃO??? Ok. Dizem que reduz risco de morte e graves lesões em alguns tipos de acidente, como desaceleração, por exemplo. Nos EUA já são obrigatórios. Mas que é engraçado é. Portanto, pela TAM, salvo no caso de pessoas com limitações ou necessidades especiais, os demais assentos da primeira fileira estão todos livres para serem comercializados. Considere isso em caso de empate nas tarifas. Não é muito confortável sentar apertada segurando um bebê ou com barrigão. Ao menos, eleja a poltrona do corredor.

Portanto, se for viajar de avião, leia muito bem os sites das companhias.

2 –No Aeroporto:

Não é demais chegar cedo demais. O bebê pode se sujar, pode ter fila e bem, nem sempre podemos contar com o bom senso da galera. Fomos atendidos com prioridade pelas duas companhias, mas na fila de entrada do setor de embarque, por exemplo, não havia diferença. Também não recebemos a educação de algumas pessoas na locadora de veículos, nem na fila da lanchonete ou no banheiro.

Portanto, ao menos no check in, apresente-se ao funcionário e peça prioridade. Não é mimo. Além de ser um direito você vai querer usufruir dele quando estiver com quatro malas e um bebê prestes a acordar e chorar no colo.

Para o embarque, levamos o Miguel no bebê conforto na ida e no sling na volta. Mas, para passar pelo detector de metal tivemos que tirá-lo em ambas as oportunidades. O bebê conforto passa pelo raio-X, assim como os carregadores. O bebê passa no colo (ó você achando que ele passava pela esteira!).

Usar um carregador (sling, wrap, canguru…) dentro do aeroporto é prático, já que é um luxo ficar com as mãos livres para as outras coisas.

3 – Durante o voo:

Na decolagem e no pouso todos podemos sentir desconforto no ouvido. Engolir ajuda a aliviar. Para ajudar os bebês durante essas fases, indicam dar algo para sugarem – chupeta, mamadeira ou amamentar. Na ida e na volta amamentei durante a decolagem. Ele não teve nada, não chorou, mas é melhor não contar com isso. Nas descidas, ele estava com chupeta. No mais, como o ruído nessas ocasiões pode passar de 100 decibéis, li indicações para tampar os ouvidos dos bebês com algodão. Eu usei a fraldinha de boca.

Ainda não faz sentido para mim a falta de previsão/obrigatoriedade do uso de assento próprio para bebês em voos. O uso é recomendado por vários órgãos não só por causa do risco de queda do avião, mas especialmente para evitar traumas em outras situações, como no caso de turbulência, um evento não muito raro na aviação. Você não pode ficar solto, sua bolsa não pode ficar solta, mas seu bebê de 6kg pode – e deve, porque não há opção, a despeito das orientações da Sociedade Brasileira de Pediatria, da Associação Americana de Pediatria , dentre outros, em sentido contrário. Tivemos o azar de “pegar” turbulência em metade do voo na ida. Não foi nada legal segurar meu pacotinho balançando sem parar enquanto todos, incluindo eu e meu marido, estávamos presos em segurança em nossos respectivos cintos.

O médico Dr. Amaury Simoni, que é especialista em medicina aeroespacial, me aconselhou a usar um canguru durante o voo para que o bebê fique mais preso. Até consegui um, mas o Miguel ainda é pequeno demais, então ficava largo. Portanto, foi no colo/sling. Bebês maiores talvez se adaptem melhor ao modelo canguru.

Na freada do pouso segure firme o bebê, firme mesmo, porque a força joga ele pra frente e ele pode cair (você não, porque você está de cinto).

Se seu filho for maiorzinho, leve algo para entretê-lo. O Miguel simplesmente se encantou com o assento e ficava tentando passar a mão naquele protetor de cabeça. Antes fosse num brinquedo.

Se viajar por uma companhia sem assento preferencial/prioritário ou não conseguí-lo ou não quiser ou ou ou, tente ir no corredor. É mais fácil entrar e sair com o bebê. Para viagens mais longas, algumas companhias oferecem bercinhos, pagando-se, claro, pelo serviço. A TAM tem esse serviço.

Não espere que os demais passageiros deixem você e o bebê saírem da aeronave antes deles, afinal, já deixaram que entrassem antes. Portanto, se não tiverem conexão para fazer, rs, permaneçam sentados e tranquilos e saiam por último, sem stress e com o corredor livre. Se seu bebê chorar, conforte-se com o fato de que o avião faz ruído alto o suficiente para abafar o barulho do choro para a grande maioria dos passageiros. Por fim, se não quiser passar vexame, não peça para a comissária refrigerante para dar ao bebê com fome por ter esquecido a mamadeira na mala (pois é).

Mais dicas para viagens de avião com crianças aqui.

E você? Tem mais alguma dica para compartilhar comigo? Como você se prepara? Eu realmente gostaria de saber! Comenta!

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Bebê, Opinião

Campanha em prol do conforto do bebê: da ribanização das calças.

Aí você vai vestir o bebê: fralda, body, meia e calça – roupa padrão. Aí que as calças são absolutamente desproporcionais: vêm até o pescoço e com um elástico de matar a barriguinha. Aí é que, se não é pela altura, logo, logo as calças RN e P são aposentadas porque apertam o baby.

Então eu pergunto: por que raios barulhentos as calças de bebezinhos têm elástico SE ELES NÃO FICAM DE PÉ?

Imagem

Hmmmm…

Pensemos.

Elas não vão cair e, mesmo que as pernas fiquem se mexendo loucamente, dificilmente um bebê vai conseguir tirar as próprias calças no chute.

Então por que que eu tenho que submeter a barriga do filhote àqueles elásticos justos do mal?

Não vejo razão. Portanto, estamos em fase de soltá-los e/ou aplicar a ideia genial de substituí-los por ribanas. A tia Cirene já o fez em algumas e é sucesso!

Largas, macias e confortáveis, as ribanas podem ser compradas por quilo em malharias. Baratex. Se, como eu, você não tem habilidades com costura, peça pra costureira da família. Não sai caro e, dizem, não é difícil. Fora isso, não tiraram nem um pouco o charme (?) das calças e deram uma sobrevida às de tamanho menor.

Imagem

Agora sim! A-c-o-n-c-h-o!*

Lógico, amiga, se você pretende fazer o mesmo, use apenas nas peças que ainda servem no comprimento das perninhas. Calcule do gancho pra baixo.

Babies, be happy!!!

*Não sabe o que é aconcho? Clique aqui.

2 Comentários

Arquivado em Bebê

Útil x Fútil II

Continuo com as resenhas e dicas.

Hoje, com um mês, o Miguel tomou a segunda dose da vacina de Hepatite B e aproveitamos para dar a BCG, que pode ser tomada nos 30 primeiros dias.

A primeira não costuma dar reação, mas a segunda sim, entre 45 e 60 dias depois. A região costuma ficar dolorida e inchar. O que eles não explicam, e que a Cirene me orientou, é que quando tiver a reação NÃO é para fazer compressa quente no local (e em eventuais reações para outras vacinas também não). O calor vai aumentar a irrigação sanguínea no local e a absorção, quando o que se espera é que a absorção seja lenta mesmo. Isso levará a mais reação. Portanto, se quisermos ajudar os pimpolhos a passarem o desconforto com algum tipo de compressa é para usar compressa fria!

Fora isso, alguns amigos perguntaram sobre o dormir de lado. Quando as Angélicas da vida encabeçam uma hiper campanha para dormir de barriga pra cima lá vem uma guria falar de dormir de lado. Pelo que sempre entendi, dormir de barriga para cima diminui as chances de morte por sufocamento e de morte súbita. O que ninguém explica nessas campanhas é o risco que os bebês correm de aspirar vômito/líquidos -que também pode levar a óbito.

Na primeira noite do Miguel na maternidade voltou líquido amniótico. Como mãe antenada, claro que as enfermeiras me entregaram ele de lado no bercinho e eu obedeci à campanha e o virei de barriga pra cima! Acordar com o barulho dele vomitando, só a cabecinha virada de lado, com tudo podendo escorrer pro lugar indevido, foi assustador. Ainda assim, mantive firme a campanha dentro de casa, sob protestos das avós experientes, até a Daniela nos orientar melhor (perdão vovós por não ter dado ouvidos à experiência de vocês…). E quando voltamos ao hospital confirmamos que também na ala da pediatria as crianças são colocadas para dormir de lado. NA MINHA OPINIÃO, se dormir de barriga pra cima fosse tudo que se propaga, isso começaria na maternidade. Ponto. Mas cada um que tire as próprias conclusões e faça as próprias escolhas, não é.

Em relação às resenhas, duas linhas de produtos me decepcionaram em todos os sentidos e não indico para ninguém. Linha de higiene para bebê da Avon e fralda Pampers do pacote vermelho.

– sabonete líquido para bebê da Avon: o cheiro não me agradou tanto (e isso vale pra linha toda), mas nada, nada se compara àquela bisnaga dura que você não consegue utilizar se estiver dando banho sozinha no bebê. Totalmente difícil. Aperta, aperta, aperta e cai uma gota do sabonete. Cadê o líquido? O gato comeu. Uma droga. Passamos pro sabonete em barra.

– sabonete em barra para bebê da Avon: pulemos o cheiro. Não fica. Ele é melento, derrete muito facilmente e gruda na cabeça do bebê. Uma droga também. Finalizamos com o óleo para massagem.

– óleo para massagem para bebê da Avon: cheiro? Nem procurei. Madrugada, Miguel com cólica, vamos fazer uma massagenzinha no filhote? Londrina, (falso) sul do Brasil, outono… barriguinha do bebê quentinha… putz, óleo gelado. Vamos aquecer na mão antes de aplicar, né. Óbvio. Coloca na mão, esfrega, esfrega, esfrega. Resultado: não esquentou e foi todo absorvido pela palma da minha mão. Que beleza. Não teve massagenzinha com óleo. Uma super droga.

– fralda Pampers do pacote vermelho – resenha pré-uso: não usei e já  não gostei. Desde o nascimento, usamos a Pampers do pacote verde. Tem elastiquinho na barriga, toque super confortável, desenho do Elmo, uma lindeza de porta-cocô. Mas contudo porém entretanto, em novembro havíamos comprado um mini estoque da vermelha. Nos indicaram usar dessa de dia e da verde, um pouco mais cara, de noite. Aí você pensa: é tudo Pampers mesmo, devem ser todas boas. Abri ontem o primeiro pacote e fiquei surpresa – uma fralda molenga, as etiquetas que a prendem são duras, não esticam e o toque é muito estranho. Ridículo mesmo é colocar uma do lado da outra – a diferença é gritante. Mas Melina, é pra ele cagar mesmo! Mas se até agora cagou no confortinho, quero que continue assim, ué. Não tem jeito, filhão. Vamos ter que encarar e fazer o teste. Vai que o bicho papão só lata mas ão morda, não é? Paguei pra ver, infelizmente.

Resumo da ópera: garanta seu xampu Natura Mamãe e Bebê se quiser seu filho cheiroso. Utilize o xampuzinho Johnson’s Hora do Sono no banho noturno para ele relaxar e ficar perfumadinho. Se jogue no sabonete em barra para bebê da Granado para um banho gostoso e sem meleca. Procure um óleo para massagem que não seja o da Avon e me conta depois. Fique na Pampers verde, se for de Pampers.

Por fim, pomada para assadura. Se você também não teve sorte de ter a Desitin (uma importada boa e famosa), provavelmente usa a Hipoglós ou a Bepantol Baby. Temos usado a Hipoglós Amêndoas, marca de confiança, pomada boa, que já passa pelos bumbuns da família há algumas gerações.

As enfermeiras, contudo, sugeriram testar uma outra opção: Dermodex Prevent. Essa pomada, segundo elas, gruda menos que a Hipoglós e é mais fácil de tirar no banho ou na limpeza, sem falar que protege muito bem. Dermodex é o nome comercial do produto feito à base de Nistatina (dos cremes vaginais) + Óxido de Zinco. Achei vários genéricos dessa pomada com o preço mais em conta. Comprei a primeira bisnaga. Veremos!

Besos!

 

P.S.: pomada genérica da Dermodex: nota 10 na avaliação! Não gruda, espalha bem e quando vai limpar dá pra sentir a camada de proteção que se formou.

4 Comentários

Arquivado em Bebê, Lista

Dica 1: Adoçantes e Doces

Antes de começar a lista, reforço que coloquei produtos que já costumo utilizar, com base no meu gosto e nas minhas necessidades. Não são orientações nutricionais.  Os industrializados têm informação completa nos rótulos e aos que não são, cabe sempre perguntar ao vendedor. Se segue ou deve seguir uma dieta, a orientação final deve ficar sempre a cargo de um profissional habilitado.

Adoçantes:

Pro meu gosto, nenhum é gostoso. Gosto de açúcar demerara, açúcar mascavo e mel, mas enquanto durar o quadro de diabetes, não posso usar nenhum. Tenho preferido não adoçar nada. Por causa da gravidez, caso eu opte por adoçar, há restrição para vários. Sobraram sucralose e stevia. O problema é que a maioria dessas opções tem lactose adicionada, ó que maravilha! Se você for/estiver diabético e intolerante, se fú, com o perdão do palavrão.

Stevia Stevita: a única marca sem lactose que encontrei em Londrina e que, segundo a vendedora, entra nos EUA. Não acho isso relevante porque né, são os pais do fast food, mas na hora foi convincente, rsrsrs. Na Sabor Saúde.

– outras opções não encontradas em Londrina: Doce Menor 100% Stevia e Jasmine.

Doces:

Já é difícil achar sem lactose. Sem lactose e sem açúcar então, quase impossível.

Fui a casas de produtos para diabéticos e foi minha maior decepção. Um monte de coisa que não tem na natureza que, somados, dão um sabor aproximado de outra coisa. Alguém me fala, por favor, o que que é aquela bendita gelatina diet? Gelatina já um treco bem sem graça. Diet, então… É nada, com nada, com nada, que tem sabor de nada, mas deixa gosto de ruim na boca. Fora que eu não sei o que eu to comendo. Leio aqueles rótulos e não imagino de onde saem. Nem a fruta que saboriza o troço é de verdade. “Não contém polpa da fruta”. Depois é o açúcar que faz mal. Sei. Me dá um sachê de açúcar refinado, por favor, que deve ser mais benéfico do que aquele monte de química adocicada.

A lista inclui doces com açúcar, mas sem lactose, e sem ambos. Encontrei em casas de produtos naturais e mercados. Minha listinha de doces sem adição de açúcar fica restrita a barra de frutas naturais e algumas poucas coisas que utilizam stevia e maltitol, e olha lá. Pela ordem dos ingredientes (que, segundo aprendi, é do que tem mais pro que tem menos), devem estar por último.

Sem lactose, com açúcar (alguns têm glúten):

Mousse fake de chocolate: É feito à base de uma espécie de pasta de banana verde, muito apreciada por diversas propriedades que eu desconheço. Engana bem e não tem gosto de banana. No Armazen.

Choco Soy Pops, da Olvebra: flocos de arroz com cobertura de chocolate à base de soja. Docinho e gostoso. O diet não é muito saboroso e segundo alerta do rótulo pode ter efeitos laxativos. Em quase todas as casas de produtos naturais e alguns mercados, como Muffato e Musamar.

Brownie e Pão de Mel da Good Soy: meio sequinho, mas mata a vontade e é gostoso. Em quase todas as casas de produtos naturais.

Chocolate Choco Soy Mais: imita o Bis. Bom. No Muffato.

Crispies com Chocolate Amargo da Neugebauer: tem que descrever mais? Não tem lactose, mas contém traços de leite, então não serve pra quem é alérgico. Vende-se em mercados, padarias e conveniências.

Barras de chocolate amargo e meio amargo (Garoto 55% Cacau e Lindt – várias opções): Adooooooro. O primeiro usei numa mousse que não usa leite nem creme de leite, cuja receita dou em breve. No Muffato.

Cookies integrais da Jasmine e da Vitao: têm de nozes, castanhas, cacau, aveia, mel, frutas… uma delícia para acompanhar um café quentinho. As opções diet que encontrei são de Capuccino com Avelã e de Cassis, da Jasmine, tanto no Mercadorama quanto no Muffato. Ainda não experimentei as de Capuccino, mas já não gostei das últimas. O sabor residual dos adoçantes não me agradam. Com glúten.

Bolo de banana da padaria do Musamar: tipo uma cuque, sem lactose, bem gostosinho, mas nada diferente do que você faria em casa, a não ser que esteja com preguiça. Não serve para celíacos.

Bolinhos de banana e cacau e de cacau do tiozinho do Jardim Quebec. Vendem de porta em porta e na sede da instituição (putz, fugiu o nome, em breve eu edito), especialmente nos comércios. Amodoro super mega. Nada de leite. Pena que usam açúcar (mascavo). Na terça passam lá no escritório do marido. Se o vir na rua, garanta o seu. Eles ainda vendem pães, lanches naturais e no local têm massagens, ioga, musicoterapia…

Bolinho com goiaba e castanhas da Empadaria Verde. Massa integral, sem lactose, com açúcar. Não dá pra celíacos.

– Bolachas de maisena Todeschini e a de aveia e mel Nestlé não usam leite. Algumas recheadas e wafers também não, bem como as tipo Club Social. Tem que ler o rótulo, porque podem conter traços de leite.

Sem lactose e sem açúcar:

Barras de fruta:

E-Bar Organic: é uma barra de frutas, orgânica, aprovadíssima. Já experimentei de abacaxi com maçã, banana, acerola com cereja… só passo a de cupuaçú. Encontrei na loja Sol Alimentos, que vende produtos para celíacos, intolerantes e algumas coisas para diabéticos, e no Muffato. No mercado é mais barato.

Bananinha Paraibúna: versão zero açúcar. É um doce feito de banana pura, sem adoçantes ou conservantes, e continua docinho. Belezinha pra levar na bolsa, porque é meio difícilis levar a banana passa … ela gruda em tudo. Têm em mercado, loja de conveniência e padarias.

Doces com alfarroba: Uatarrel?! Alfarroba é tipo uma vagem metida à besta, que faz um doce que lembra o chocolate, tanto na cor quanto no sabor, mas que é rica em fibras e um monte de coisa boa. Queridinha mais nova do mundo nutricional, vão te indicar como se fosse igual ao chocolate. Não é. Mas não é ruim. Ainda não sei se gosto ou se aceito. Descobri em 2011, na Páscoa, da marca Carob House, que não usa leite e não tem glúten. Agora, além da versão “normal”, acabei sendo apresentada às versões sem açúcares, que são as que listo. O doce fica por conta do stevia e maltitol e quase não tem sabor residual (uma proeza).

Alfarroba com banana da Carob House: imita um chocolate da Garoto, daqueles da caixa amarela que ninguém quer porque é de fruta. Mas é bom. Na Sol Alimentos e na Sabor Saúde (mas como tá relativamente comum no meio, deve ser encontrado em outras casas também).

Alfarroba com Coco da Carob House: imitação de Prestígio. Veja bem, imita, mas não é melhor que, como disseram. Nos mesmos locais.

Alfarroba com castanha de cajú da Carob House. Na Sol Alimentos.

Sorvetes:

Tentação, tentação… ainda tá pra nascer um substituto sem leite que satisfaça a uma amante de sorvetes… se eu pudesse ficar um dia sem intolerância, comeria sorvete com bolo o dia todo. Praticamente só restam os sorbets, que são à base de água, muito açúcar e conservantes, ou os de palito de fruta.

Linha Frutare da Nestlé : maracujá e limão. Mercados.

Geloni: sorbet de uva. Mercadorama.

Delícias do Cerrado: alguns sabores de palito à base de soja. Ruim que só. Na loja da marca no mercadão Palhano ou na Pará.

Freddo Gelateria: morango, framboesa, maracujá e limão siciliano. Hmmmmm! Na Higienópolis ou no mercadão Palhano.

Mr. Cuca: morango e framboesa. Bão também. Na Sergipe com a Santos.

Endereços das lojas naturais citadas:

Armazen, Rua Paranaguá, 465, lj. 01

Empadaria Verde, Rua Paranaguá, 1200. http://www.empadariaverde.com.br

Sabor Saúde, Rua Fernando de Noronha, 481.

Sol Alimentos, Av. Madre Leonia Milito, 802. http://www.solalimentos.com.br

4 Comentários

Arquivado em Dicas alimentares, Gestação